Comissão de Biossegurança e Infraestrutura inspeciona campi

 

Devido à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), desde o último mês de março, Universidades tiveram que fechar as portas dos campi e orientar que os alunos ficassem em casa. Após quatro meses, ainda não há um consenso referente ao retorno das aulas nas Instituições de Ensino Superior (IES) no território brasileiro, porém algumas delas organizam planos para conter a transmissão da doença em convergência com os protocolos de segurança e as novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). Na Universidade do Estado do Pará (Uepa), essas ações estão sendo desenvolvidas por meio da atuação dos membros da Comissão de Biossegurança e Infraestrutura, que entre os dias 14 e 23 de julho realizaram uma série de visitas técnicas em campi da capital paraense.

Foram inspecionados o Centro de Ciências Sociais e da Educação (CCSE)/Campus I; o Campus III - Educação Física; a Escola de Enfermagem Magalhães Barata/Campus IV; e o Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT)/Campus VO objetivo é uma vistoria na infraestrutura dos campi, passando por todos os espaços de convivência da comunidade acadêmica, para projetar, desta forma, a realização de intervenções necessárias para a readequação frente ao vírus. Além disso, a visita auxilia na definição de prioridades, para organizar um possível retorno presencial das atividades acadêmicas e pedagógicas; orienta quanto aos protocolos de segurança; e mantém um canal de comunicação ativo com a comunidade acadêmica.

“A Universidade, desde o momento em que foi declarada a pandemia, construiu uma Comissão de Biossegurança e Infraestrutura, que vem apoiando a tomada das decisões institucionais. Portanto, é de grande relevância o trabalho de vistoria que está sendo realizado nos campi da Uepa para o desenvolvimento de relatórios e intervenções que se mostrem necessárias, pois quando, nós, membros dessa comissão vamos a algum campus, não é uma ação somente para verificar a infraestrutura, mas também, para conscientizar as pessoas que lá estão. Criando, desta maneira, um ciclo de estímulos para que elas possam conscientizar as pessoas ao seu redor. Sendo assim, é importante deixar muito claro que o que estamos vivendo é uma situação ímpar, portanto, temporária, e a Instituição está procurando estratégias para a manutenção das nossas atividades além, também, do cuidado e preservação da saúde de todos que envolvem a nossa comunidade acadêmica”, afirmou o vice-reitor da Uepa e membro da Comissão de Biossegurança e Infraestrutura, Clay Chagas.

Na visita ao Campus IV, nesta quinta-feira (23), os membros da Comissão de Biossegurança e Infraestrutura da Uepa inspecionaram a sala dos professores, bebedouros, salas de aula, laboratórios de informática e de pesquisa, banheiros, sala de atendimento psicológico, cantina, biblioteca e quadra poliesportiva, além de fazerem vistoria nos dispensadores de álcool em gel e totens de sanitização.

“Nós, da comunidade acadêmica da Escola de Enfermagem Magalhães Barata, ficamos muito felizes em receber a Comissão de Biossegurança da Uepa, para ver como se encontra as condições do nosso campus dentro deste contexto da pandemia do novo Coronavírus. A gente tem grupo de trabalho à frente da organização e da infraestrutura dos nossos espaços, além do acompanhamento pedagógico e emocional dos nossos discente e docentes, porém a presença da Comissão faz a gente se sentir mais segura, assim como, a certeza de que estávamos indo no caminho certo no que tange a prevenção contra a Covid-19”, disse a coordenadora do Curso de Enfermagem e do Campus IV da Uepa, professora Margareth Bittencourt.

A Comissão de Biossegurança e Infraestrutura da Uepa têm desenvolvido diversas estratégias, entre elas, a Pesquisa Epidemiológica Institucional, distribuição de materiais de higienização pessoal, oferta de máscaras de proteção individual, treinamento e, agora, vistoria nos campi da Instituição com o intuito de colher dados e produzir relatórios, que possam subsidiar a tomada de decisões com segurança pela Reitoria da Universidade.

Caso haja a possibilidade de retomada das aulas presenciais, a Uepa seguirá as diretrizes elaboradas pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) que estipula a necessidade de haver menos discentes por sala, por meio de um sistema de rodízio entre os alunos; somente realização de atividades individuais e sem trabalhos em grupo; além da continuidade das atividades acadêmicas de forma híbrida, ou seja, tanto no formato online quanto presencial. No intervalo entre as disciplinas, as cantinas e os restaurantes universitários terão lugares marcados para que os discentes mantenham a distância entre si e cada um deverá ter a própria garrafa de água, assim como, também, a obrigatoriedade do uso de máscaras por docentes, alunos e servidores.

Segunda etapa de vistorias

A próxima etapa de ações da Comissão será a realização de vistorias nos campi interiorizados, a partir do mês de agosto. Assim, todos os 21 campi receberão inspeções na infraestrutura e orientações pertinentes à prevenção contra a Covid-19. “Inicialmente, nós estamos na organização logística do transporte para levar os membros da Comissão de Biossegurança e Infraestrutura da Uepa para realização de visitas e inspeções nos espaços de convivência e movimento dentro dos campi que são interiorizados e fazer essa mesma orientação que foi realizada nos campi da Região Metropolitana de Belém. Em função de questões geográficas, os primeiros municípios serão Vigia, Igarapé-Açu e Castanhal, depois nós iremos para Bragança e todos os municípios em torno como São Miguel, Paragominas e outros que possuem campus da Uepa. E, posteriormente, para a região de Abaetetuba, Cametá e Moju, que nós podemos ir e passar um ou dois dias, dependendo da demanda de cada campus e assim culminar em dados que possam auxiliar a gestão sobre quando nós vamos poder voltar presencialmente as atividades de todos os cursos da Uepa”, comentou o coordenador da Comissão de Biossegurança e Infraestrutura da Uepa, professor Pedro Vasconcelos.

Texto/Foto: Daniel Leite Jr