Licenciatura na Uepa: histórias de formação e afeto

 
O trio Cleiciane Estumano, Giovana Kosminsky e Fabrine Guimarães, no dia da formatura em Pedagogia (Foto: Arquivo Pessoal).

 

O compromisso com uma educação que perpassa as salas de aula e desempenha papel crucial na formação de professores integra o tripé da Universidade do Estado do Pará (Uepa), especialmente no Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), campus que recebe os alunos dos cursos de licenciatura. Há trinta anos, a Uepa prepara profissionais para o mercado e, consequentemente, consolida a sua importância no cenário da educação paraense.

Para Paulo Freire, intitulado patrono da educação no Brasil, que também dá nome ao auditório do CCSE, o ensino é um ato de amor e de coragem. Nesse contexto educacional, Cleiciane Estumano, Giovana Kosminsky e Fabrine Guimarães, egressas do curso de licenciatura em Pedagogia, ecoam o compromisso da Uepa e exemplificam o pensamento do educador.

Experiente como professora do Ensino Fundamental e, hoje, atuante no Ensino Infantil, Cleiciane afirma que a Uepa contribuiu para a sua trajetória acadêmica e profissional, pois a universidade foi um pilar primordial, que proporcionou o seu conhecimento teórico e parte de sua prática. "A Uepa disponibiliza muitos programas de bolsas e grupos de estudos, e isso instiga o aluno a buscar, a pesquisar. Durante a minha graduação, eu tive a oportunidade de vivenciar diversas áreas onde o pedagogo pode atuar, além da educação escolar. Então, foi um divisor de águas, porque a universidade abriu um leque de possibilidades de mercado de trabalho, e eu acho que o primordial foi a base teórica sobre o comportamento infantil, área que atuo no momento e que, na época, eu já tinha o interesse", declara.

Especialista em Psicopedagogia, Neuropedagogia e Educação Especial, a egressa vislumbrava a docência ainda na infância, e relembra o incentivo de sua ex-professora, que já enxergava o potencial em uma criança. "Eu tinha o hábito de terminar as minhas tarefas antes dos meus colegas e a professora Edina pedia que eu ensinasse para eles. Ela dizia que eu poderia ser professora e, de certa forma, aquilo me estimulou ainda mais, porque eu ensinava com facilidade. Embora pouco entendida da vida, eu já tinha a certeza da carreira que eu queria seguir", enfatiza.

Giovana, especialista em Atendimento Educacional e Psicopedagogia, também pontua os fundamentos teóricos como pontos-chave para sua formação. "A Uepa é uma universidade excelente, que me proporcionou uma base muito boa entre teoria e práticas que vivenciei nos meus estágios". Professora da Educação Infantil pela Secretaria Municipal de Educação (Semec), ela relata que sempre teve empatia e zelo para cuidar de pessoas como característica preponderante em sua personalidade. "Então, em uma conversa com minha vizinha, que era como mãe pra mim, fui aconselhada a fazer pedagogia e eu segui o conselho", detalha a pedagoga.

Fabrine alega que optou pela Licenciatura após visitar uma feira vocacional promovida pela Uepa. "Eu sempre gostei de muita coisa ao mesmo tempo e, na feira, as meninas que estavam no estande de pedagogia me mostraram o quão versátil poderia ser o curso no qual você poderia atuar em várias áreas", relembra. Nesse sentido, a possibilidade de transitar por diversas áreas foi um fator determinante em sua escolha. Hoje, a egressa é auxiliar de gestão hospitalar – âmbito que também abrange a pedagogia. "A matriz curricular da Uepa proporciona essa versatilidade, mesmo que básica, pela área empresarial e hospitalar", assegura.

Vínculo entre amizade e docência

Cleiciane, Giovana e Fabrine ingressaram na Uepa em 2008. Se o desejo das três egressas era apenas traçar um caminho rumo à docência, os corredores e as salas de aula do CCSE, repletos de sonhos e expectativas de tantos jovens, tornaram-se fundamentais para a consolidação de um laço que se estende até hoje: a amizade. Moldadas pela coragem e pelo amor ao ensino, as pedagogas conquistaram, juntas, alguns objetivos importantes. Como lembra Giovana, "conseguimos alcançar nossos objetivos profissionais e realizar o sonho de passar em um concurso juntas". Em 2014, ela e Cleiciane foram aprovadas no concurso da Secretaria Municipal de Educação (Semec). Fabrine, por sua vez, encontrou sua trajetória na gestão hospitalar, demonstrando, assim, os diversos caminhos que a Uepa propicia aos seus alunos, seja qual for o curso.

Mas, engana-se quem pensa que a união entre essas amigas foi formada imediatamente, conforme explica Cleiciane. "A Thamires, uma amiga na época, foi a mediadora da minha amizade com a Fabrine, a Gi chegou depois", conta. "Eu não me lembro como nos juntamos", reflete Giovana, "mas foi logo nas primeiras semanas que formamos um grupo de mais ou menos 5 meninas e, assim, seguimos o curso, sempre incentivando e ajudando uma a outra".

"O Uno –  jogo de cartas – juntou a gente", recorda Fabrine, aos risos, demonstrando que a amizade muitas vezes se revela em momentos despretensiosos. "Começamos a nos unir, a fazer trabalho, passei a sentar no ‘fundão’, porque eu não me encaixava com a galera da frente", confessa Cleiciane. Uma mudança de assento que, além de alterar a dinâmica da turma, consagrou uma parceria que persiste até hoje. "Esse ano a gente faz 15 anos de amizade", frisa Fabrine.

Giovana recorda com carinho os momentos depois de formadas, quando a rotina profissional conduziu a sua turma para caminhos distintos, mas o laço construído com Fabrine e Cleiciane permaneceu. "As outras amigas seguiram suas vidas e acabamos nos afastando, porém nosso grupo continuou cada vez mais forte, formando uma irmandade. Nós temos tantas vivências maravilhosas, mas as que eu mais tenho carinho, eram os jogos de Uno que jogávamos nos intervalos de aula, sempre geravam muita diversão", garante.

Entre as diversas memórias partilhadas, Fabrine destaca que "as mais legais são as de fóruns que frequentávamos juntas, dentro ou fora da instituição". Já Cleiciane enxerga a Uepa como um epicentro dessa amizade. "Os espaços do CCSE eram locais de encontros e partilhas, mesmo quando não havia aula. O estágio obrigatório foi uma das experiências que vivemos juntas, porque colocamos em prática tudo o que aprendemos", informa.

Importância da Uepa na formação profissional

Na rede estadual de ensino, a garantia do pagamento do piso salarial para a categoria, confirma a importância dos professores para a sociedade. Segundo uma pesquisa recente do Movimento Profissão Docente, o Pará se destaca ao oferecer o segundo melhor salário do Brasil para os professores. E, neste cenário, a Uepa desempenha papel fundamental. “A Uepa tem uma grande importância, porque ela atua na formação de profissionais que são essenciais não só para o nosso estado, mas para o mundo. Quando falamos de cursos de licenciatura, nós estamos nos referindo a futuros profissionais, que estarão atuando como mediadores de conhecimentos, de valores”, conclui Cleiciane.

Enquanto a pedagoga enfatiza a relevância da Uepa na formação de profissionais da educação, Fabrine complementa: “Na formação profissional de um professor, a coisa mais importante é você gostar daquilo que escolheu, o conhecimento passado para que o receptor sinta o amor, o orgulho dessa escolha, porque isso flui melhor e contagia. A Uepa é uma das maiores universidades formadoras de grandes profissionais da licenciatura em várias regiões do estado e a sua grade curricular proporciona vivências importantes que agregam bastante no currículo”.

Juntas, as três egressas do Curso de Licenciatura em Pedagogia, com suas respectivas histórias, que ultrapassam os muros da universidade, representam a relevância da Uepa, não somente para a base profissional, como também para a construção de laços afetivos.

 

Texto: Thayssa Nobre (Ascom Uepa)
Foto: Arquivo Pessoal