Uepa realiza testes rápidos de Covid-19 em toda comunidade acadêmica

 
“Nossa meta atual é realizar testagens em 100% de servidores, incluindo técnicos e professores. Realizaremos testes em toda a comunidade acadêmica, inclusive terceirizados”. A afirmação do vice-reitor da Uepa, Clay Anderson Chagas, ratifica a ação da Universidade do Estado do Pará (Uepa) em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) desde abril deste ano, quando iniciou a submissão de testes rápidos para detecção da Covid-19.
 
Em abril, foram testados os profissionais que não poderiam se afastar do trabalho e os que atuavam nos serviços de assistência médica do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), como responsáveis por vacinas.
 
Atualmente, a ação contempla a testagem em todos os campi do interior. A próxima etapa também incluirá alunos. A iniciativa é coordenada pelo CCBS, Campus II da Universidade, por meio dos Laboratórios de Análises Clínicas e de Microbiologia Aplicada.
 
A Sespa é a responsável pelo fornecimento de kits para os testes rápidos sorológicos, através de método qualitativo, com verificação de IgG e IgM. O resultado sai em 2 dias e é divulgado no e-mail do funcionário.
 
A diretora do CCBS, Vera Palácios, avalia os resultados da atuação para o retorno gradativo das atividades da Universidade. “Pelo método, o IgG positivo indica que o organismo já teve contato com o vírus e já gerou anticorpos. Este primeiro levantamento demonstrou cerca de 50% de positividade de IgG nos funcionários testados, indicando que o aglomerado não está infectando tanto quanto antes e temos, de certo modo, o que é chamado de imunidade de rebanho”, afirmou.
 
A retestagem nos funcionários que primeiramente tiveram resultados não-reagentes também é possível e está prevista em ações futuras, após esta primeira testagem de toda comunidade acadêmica.
 
“Em setembro iniciamos testagens no campi do interior, após mais de 2.500 testes em Belém”, reiterou o vice-reitor da Uepa. No interior, o procedimento já foi realizado em Santarém, Tucuruí, Conceição do Araguaia, Redenção, Vigia, Moju, Igarapé Açu e Paragominas. Agora segue a todos os demais campi da Uepa.
 
O teste rápido é definido por Imunocromatografia, a revelação dos anticorpos, através da imunoglobulina M e G,conjuntamente. A coleta é feita por punção venosa no laboratório do CCBS. Até hoje, já foram testadas aproximadamente 1500 pessoas da Universidade.
 
O professor Nilson Bezerra, responsável técnico pela ação, coordena uma equipe formada por oito pessoas divididas entre coleta, realização do teste e divulgação dos resultados. Para além da testagem, a meta é traçar um perfil mais global de saúde da comunidade acadêmica, relacionado ao coronavírus. “Minha perspectiva é reunir dados em um inquérito soroepidemiológico e fazer uma relação com o tipo de sintomas apresentados pela população acadêmica que foi afetada pelo vírus”, explicou.
 
Texto e fotos: Nailana Thiely